"Tudo o que precisamos são 20 segundos de coragem insana"

Benjamin Mee

Busca no Planeta Maebee:

Usuário:
Senha:

IP do cliente:
54.162.166.214
 



POSTs mais antigos:

Junho de 2016
Julho de 2015
Junho de 2015
Maio de 2015
Abril de 2015
Março de 2015
Fevereiro de 2015
Janeiro de 2015
Dezembro de 2014
Novembro de 2014
Outubro de 2014
Setembro de 2014
Agosto de 2014
Julho de 2014
Junho de 2014
Maio de 2014
Abril de 2014
Março de 2014
Fevereiro de 2014
Janeiro de 2014
Dezembro de 2013
Novembro de 2013
Outubro de 2013
Setembro de 2013
Agosto de 2013
Julho de 2013
Junho de 2013
Maio de 2013
Abril de 2013
Março de 2013
Fevereiro de 2013
Janeiro de 2013
Dezembro de 2012
Novembro de 2012
Outubro de 2012
Setembro de 2012
Agosto de 2012
Julho de 2012
Junho de 2012
Maio de 2012
Março de 2012
Janeiro de 2012
Dezembro de 2011
Novembro de 2011
Outubro de 2011
Setembro de 2011
Agosto de 2011
Junho de 2011
Maio de 2011
Fevereiro de 2011
Agosto de 2009
Julho de 2009
Junho de 2009
Maio de 2009
Abril de 2009
Fevereiro de 2009
Janeiro de 2009
Setembro de 2008
Julho de 2007
Junho de 2007
Maio de 2007
Abril de 2007
Março de 2007
Fevereiro de 2007
Janeiro de 2007
Dezembro de 2006
Novembro de 2006
Outubro de 2006
Setembro de 2006
Agosto de 2006
Julho de 2006



28 de Junho de 2007

"A ti Aquário, dou o conceito de futuro, para que através de ti, o homem possa ver outras possibilidades. Terás a dor da solidão, pois não te permito personalizar o meu amor. Para que possas voltar os olhares humanos em direção a novas possibilidades, Eu te concedo o Dom da Liberdade, de modo que, livre, possas continuar a servir a humanidade onde quer que ela esteja."
Principal Característica: a originalidade
Qualidade: o humanismo
Defeito: o radicalismo

Quem não compreende um olhar tampouco compreenderá uma longa explicação.


Exibir outros POSTs com o tema de: ficção ou fantasia





23 de Junho de 2007

Para meus amigos que estão... SOLTEIROS:
O amor é como uma borboleta. Por mais que tente pegá-la, ela fugirá. Mas quando menos esperar, ela estará ali do seu lado. O amor pode te fazer feliz, mas às vezes também pode te ferir. Mas o amor será especial apenas quando você tiver o objetivo de se dar somente a um alguém que seja realmente valioso. Por isso, aproveite o tempo livre para escolher.

Para meus amigos... COMPROMETIDOS:
Amor não é se envolver com a "pessoa perfeita", aquela dos nossos sonhos. Não existem príncipes nem princesas. Encare a outra pessoa de forma sincera e real, exaltando suas qualidades, mas sabendo também de seus defeitos. O amor só é lindo, quando encontramos alguém que nos transforme no melhor que podemos ser.

Para meus amigos... GALINHAS:
Nunca diga "te amo" se não te interessa. Nunca fale sobre sentimentos se estes não existem. Nunca toque numa vida, se não pretende romper um coração. Nunca olhe nos olhos de alguém, se não quiser vê-lo derramar em lágrimas por causa de ti. A coisa mais cruel que alguém pode fazer é permitir que alguém se apaixone por você, quando você não tem a intenção de fazer o mesmo.

Para meus amigos... CASADOS:
O amor não te faz dizer "a culpa é", mas te faz dizer "me perdoe". Compreender o outro, tentar sentir a diferença, se colocar no seu lugar. Diz o ditado que um casal feliz é aquele feito de dois bons perdoadores. A verdadeira medida de compatibilidade não são os anos que passaram juntos; mas sim o quanto nesses anos vocês foram bons um para o outro.

Para meus amigos que têm um CORAÇÃO PARTIDO:
Um coração assim dura o tempo que você deseje que ele dure, e ele lastimará o tempo que você permitir. Um coração partido sente saudades, imagina como seria bom, mas não permita que ele chore para sempre. Permita-se rir e conhecer outros corações. Aprenda a viver, aprenda a amar as pessoas com solidariedade, aprenda a fazer coisas boas, aprenda a ajudar os outros, aprenda a viver sua própria vida. Já diz o ditado: a dor de um coração partido é inevitável, mas o sofrimento é opcional!

Para meus amigos que são...INOCENTES:
Se ela(e) se apaixonou por ti, e você não teve culpa, é verdade. Mas pense que poderia ter acontecido com você. Seja sincero, mas não seja duro; não alimente esperanças, mas não seja crítico; você não precisa ser namorado(a), mas pode descobrir que ela(e) é uma ótima pessoa e pode vir a se tornar uma(um) grande amiga(o).

Para meus amigos que tem MEDO DE TERMINAR:
As vezes é duro terminar com alguém, e isso dói em você. Mas dói muito mais quando alguém rompe contigo, não é verdade? Mas o amor também dói muito quando ele não sabe o que você sente. Não engane tal pessoa, não seja grosso(a) e rude esperando que ela(e) adivinhe o que você quer. Não a(o) force terminar contigo, pois a melhor forma de ser respeitado é respeitando.

Eterno, é tudo aquilo que dura uma fração de segundo, mas com tamanha intensidade, que se petrifica na eternidade.


Exibir outros POSTs com o tema de: educação moral e civismo





21 de Junho de 2007

Conta uma lenda dos índios sioux que, certa vez, o Touro Bravo e a Nuvem Azul chegaram de mãos dadas à tenda do velho feiticeiro da tribo e pediram:
- Nós nos amamos e vamos nos casar. Mas nos amamos tanto que queremos um conselho que nos garanta ficar sempre juntos, que nos assegure estar um ao lado do outro até a morte. Há algo que possamos fazer?
E o velho, emocionado ao vê-los tão jovens, tão apaixonados e tão ansiosos, disse:
- Há uma coisa a fazer, mas é uma tarefa muito difícil e sacrificada. Tu, Nuvem Azul, deves escalar o monte ao norte da aldeia apenas com uma rede, caçar o falcão mais vigoroso e trazê-lo aqui, com vida, até o terceiro dia depois da lua cheia. E tu, Touro Bravo, deves escalar a montanha do trono; lá em cima, encontrarás a mais brava de todas as águias. Somente com uma rede deverás apanhá-la, trazendo-a para mim viva!
Os jovens abraçaram-se com ternura e logo partiram para cumprir a missão. No dia estabelecido, na frente da tenda do feiticeiro, os dois esperavam com as aves. O velho tirou-as dos sacos e constatou que eram verdadeiramente formosos exemplares dos animais que ele tinha pedido.
- E agora, o que faremos?' - os jovens perguntaram.
- Peguem as aves e amarrem uma à outra pelos pés com essas fitas de couro. Quando estiverem amarradas, soltem-nas para que voem livres.
Eles fizeram o que lhes foi ordenado e soltaram os pássaros. A águia e o falcão tentaram voar mas, conseguiram apenas saltar pelo terreno. Minutos depois, irritadas pela impossibilidade do vôo, as aves arremessaram-se uma contra a outra, bicando-se até se machucar. Então o velho disse:
- Jamais esqueçam o que estão vendo, esse é o meu conselho. Vocês são como a águia e o falcão. Se estiverem amarrados um ao outro, ainda que por amor, não só viverão arrastando-se, como também, cedo ou tarde, começarão a machucar um ao outro. Se quiserem que o amor entre vocês perdure, voem juntos, mas jamais amarrados. Libere a pessoa que você ama para que ela possa voar com as próprias asas. Essa é uma verdade nos relacionamentos e também nas relações familiares, de amizade e profissionais. Respeite o direito das pessoas de voar rumo ao sonho delas. A lição principal é saber que somente as pessoas livres serão capazes de amá-lo como você quer e merece. Respeite também as suas vontades e voe em direção às realizações da sua vida.
Ao ser livre, você encontrará pessoas felizes que adorarão voar ao seu lado.

Exibir outros POSTs com o tema de: educação moral e civismo





16 de Junho de 2007

Dia desses encontrei Tó, amigo de infância cuja principal qualidade que me lembro era a persistência, ou talvez teimosia. E, acreditem, fiquei espantado e curioso quando percebi que ele tinha virado monge.
Ele me contou que um dia seu carro pifou perto do mosteiro, e ele foi lá pedir ajuda.
Um monge o atendeu e Tó contou o que tinha acontecido com o carro.
Muito prestativo, o monge o convida a entrar. Ofereceram-lhe um ótimo jantar e depois encaminharam-no para um pequeno quarto, onde ele poderia passar a noite.
Tó agradeceu e dormiu serenamente até ser acordado por um bonito som.
Na manhã seguinte, enquanto os monges lhe reparavam o carro, Tó perguntou sobre o som que escutar aquela noite.
- Lamentamos - disse o monge - Não lhe podemos explicar o som. Você não é monge.
Tó ficou desapontado, agradeceu aos monges, e foi embora bastante curioso.
Alguns anos mais tarde, Tó passava novamente em frente ao mosteiro. Parou, e foi pedir aos monges se podia passar ali outra noite, já que tinha sido tão bem tratado da última vez que lá estivera. Os monges concordaram, e ele ficou lá.
De madrugada, ele ouve de novo o tal som estranho e lindo. E, não resistiu ao pedir na manhã seguinte, que os monges lhe explicassem o som.
Mas os monges deram-lhe a mesma resposta:
- Lamentamos. Não lhe podemos falar acerca do som. Você não é monge.
Então a curiosidade transformou-se em obsessão. Ele decidiu desistir de tudo e tornar-se monge, porque era a única maneira de desvendar aquele mistério. Então entrou para a seita e começou a longa e difícil tarefa de se tornar monge.
E passados 4 anos, Tó era finalmente um verdadeiro membro da ordem. Quando a celebração acabou, ele rapidamente dirigiu-se ao líder da ordem, e perguntou pelo som. Silenciosamente, o velho monge conduziu Tó a uma enorme porta de madeira.
Abriu a porta com uma chave de ouro e essa porta conduziu a uma 2ª porta, de prata; depois uma 3ª de ouro; e depois a 4ª, de brilhantes; a 5ª de pérolas; a 6ª de diamantes; a 7ª de safiras; a 8ª de esmeraldas; a 9ª de rubis; a 10ª, novamente de ouro; a 11ª, novamente de prata; Até que chegou à 12ª porta, de uma madeira bem rústica.
E Tó encheu-se de lágrimas de alegria assim que viu a origem de tal lindo e misterioso som que ele ouvira tantas vezes...
Ele me disse que nunca tinha sentido uma coisa assim... Uma sensação indiscritivel... E que durante toda a vida tinha esperado por aquele momento.
Eu, infelizmente nunca soube o que era. Tó não me contou, pois afinal, eu não sou monge.

Exibir outros POSTs com o tema de: ficção ou fantasia





15 de Junho de 2007

Toca o telefone...
- Alô.
- Alô, poderia falar com o responsável pela linha?
- Pois não, pode ser comigo mesmo.
- Quem fala, por favor?
- Marcelo.
- Sr. Marcelo, aqui é da Telefônica, estamos ligando para oferecer a promoção do Speedy...
- Desculpe interromper, mas quem está falando?
- Aqui é Rosicleide Judite, da Telefônica, e estamos ligando...
- Rosicleide, me desculpe, mas para nossa segurança, gostaria de conferir alguns dados antes de continuar a conversa, pode ser?
- ...bem, pode.
- De que telefone você fala? Minha bina não identificou.
- 103.
- Você trabalha em que área, na Telefônica?
- Telemarketing Pró Ativo.
- Você tem número de matrícula na Telefônica?
- Senhor, desculpe, mas não creio que essa informação seja necessária.
- Então terei que desligar, pois não posso ter segurança que falo com uma funcionária da Telefônica.
- Mas posso garantir...
- Além do mais, sempre sou obrigado a fornecer meus dados a uma legião de atendentes sempre que tento falar com a Telefônica.
- Ok . Minha matrícula é 34591212.
- Só um momento enquanto verifico.
(Dois minutos)
- Só mais um momento.
(Cinco minutos)
- Senhor?
- Só mais um momento, por favor, nossos sistemas estão lentos hoje.
- Mas senhor...
- Pronto, Rosicleide, obrigado por haver aguardado. Qual o assunto?
- Aqui é da Telefônica, estamos ligando para oferecer a promoção do Speedy. O senhor está interessado, Sr. Marcelo?
- Rosicleide, vou ter que transferir você para a minha mãe, por que é ela quem decide sobre alteração e aquisição de planos de telefones. Por favor, não desligue, pois essa ligação é muito importante para mim.
Coloco o telefone em frente ao aparelho de som, deixo a música Festa no Apê do Latino tocando no Repeat (Eu sabia que um dia essa droga iria servir para alguma coisa!), depois de tocar a porcaria toda da musica, minha mãe atende:
- Obrigado por ter aguardado .... pode me dizer seu telefone pois meu bina não identificou...
- 103.
- Com quem estou falando, por favor.
- Rosicleide
- Rosicleide de que?
- Rosicleide Judite (já demonstrando certa irritação na voz)
- Qual sua identificação na empresa
- 34591212 (mais irritada ainda!)
- Obrigada pelas suas informações, em que posso ajudá-la?
- Aqui é da Telefônica, estamos ligando para oferecer a promoção do Speedy. A senhora está interessada?
- Vou abrir um chamado e em alguns dias entraremos em contato para dar um parecer. Pode anotar o protocolo por favor?
- ...
- Alô, alô ?
- TUTUTUTUTU...
- Desligou .... nossa que moça impaciente!

Exibir outros POSTs com o tema de: ficção ou fantasia





13 de Junho de 2007

Tudo acontece ao mesmo tempo. O telefone toca, a resposta a um e-mail está pelo meio, alguém chama e o MSN pisca sem parar, avisando que há três pessoas querendo lhe dizer alguma coisa. E você, como reage? Faz uma coisa de cada vez ou todas simultaneamente?
Se você é multitarefa, sinto informar que está perdendo tempo e correndo mais riscos de errar. É o que indicam estudos recentes nos campos da psicologia, da neurologia e da relação homem-máquina. Uma dessas pesquisas, realizada pelo centro de neurociências da Universidade Vanderbilt, revela que o nosso cérebro não consegue se concentrar em duas coisas ao mesmo tempo.
Quando o ser humano tenta executar duas tarefas de uma vez só, a execução da primeira atrasa a segunda, devido a um gargalo no processamento da informação. Das duas tarefas propostas aos participantes da pesquisa, a segunda apresentou atraso de até um segundo. Para a maioria das tarefas, um segundo não é grande coisa, mas pode ser fatal se for falar ao celular num carro a 120 km por hora.
Além das limitações do cérebro, temos o efeito dispersivo da tralha tecnológica, como o aparentemente inofensivo alerta de chegada de mensagens. Segundo estudo da pesquisadora Shamsi Iqbal, da Universidade de Illinois, é comum o indivíduo atender ao alerta, dar uma olhada nos e-mails e voltar para o que estava fazendo cerca de 9 minutos depois, pelo menos. Em um grupo de desenvolvedores da Microsoft, o tempo de retorno à tarefa inicial chegou a 15 minutos. Nesse ritmo de dispersão, dez interrupções consumiriam 2 horas e meia, um tempo muito precioso.
E você, quanto tempo perde do seu dia de trabalho com telefone, alertas de e-mail, messenger e outras interrupções? Seja qual for o resultado, checar os e-mails só a cada uma hora, desabilitar os alertas e desligar o celular durante a realização de uma tarefa que exija concentração pode ser um bom começo para poupar tempo.

Exibir outros POSTs com o tema de: cultura empresarial





09 de Junho de 2007

Você consegue um bom emprego na hora que bem entender?
Você descola um amor do dia para a noite?
Se entrar num banco, sai de lá com um empréstimo sem burocracia?
Se você respondeu sim para todas estas perguntas, parabéns. E fique atento para o horário de partida do seu disco voador, pois a qualquer momento você terá que voltar para casa.
Entre nós, terrestres, o sim é uma resposta rara. Na maioria das vezes, não há vagas, não querem editar nossos poemas, não temos fiador, a garota não quer ouvir uns discos na sua casa, o garoto não quer usar camisinha e o guarda de trânsito não foi com sua cara e vai multá-lo, sim senhor. Não está fácil pra ninguém.
Ao contrário do que possa parecer, esta não é uma visão pessimista da vida. As coisas são assim, dão certo e dão errado.
Pessimismo é acreditar que ouvir um não seja uma barreira para realizar nossos planos. Tem gente que fica paralisado, nunca mais vai à luta.
Já o otimista resmunga um pouco e segue em frente.
O segredo: cada não recebido deve entrar por um ouvido e sair pelo outro. Não os colecione! Não sobrevalorize!
Espere, sem pressa, a hora do sim. O não é tão freqüente que chega a ser banal. O não é inútil, serve só para fragilizar nossa auto-estima. Já o sim é transformador.
O sim muda a sua vida. Sim, aceito casar com você. Sim, você foi selecionado. Sim, vamos patrocinar sua peça.
Quando não há o que detenha você, as coisas começam a acontecer, sim.

Exibir outros POSTs com o tema de: cultura empresarial





07 de Junho de 2007

Inverno - Ana Carolina (Adriana Calcanhoto/Antonio Cicero)
No dia em que fui mais feliz / Eu vi um avião / Se espelhar no seu olhar até sumir / De lá pra cá não sei / Caminho ao longo do canal / Faço longas cartas pra ninguém / E o inverno no Leblon é quase glacial / Há algo que jamais se esclareceu / Onde foi exatamente que larguei / Naquele dia mesmo / O leão que sempre cavalguei / Lá mesmo esqueci que o destino / Sempre me quis só / No deserto sem saudade, sem remorso só / Sem amarras, barco embriagado ao mar / Não sei o que em mim / Só quer me lembrar / Que um dia o céu reuniu-se à terra um instante por nós dois / Pouco antes de o ocidente se assombrar...

Repetindo música postada em 27 de janeiro.


Exibir outros POSTs com o tema de: músicas





03 de Junho de 2007

Existe um princípio que diz que apenas 10% da vida estão relacionados com o que se passa com você, e os outros 90% da vida estão relacionados com a forma como você reage ao que se passa com você.
Isto quer dizer que nós não temos controle sobre os 10% do que nos acontece. Não podemos evitar que o carro enguice, que o avião atrase, que o semáforo fique no vermelho.
Mas, sobre os outros 90%, você tem o controle absoluto.
Imagine você tomando o café da manhã e sua filhinha, ao pegar a xícara, deixa o café cair na sua camisa branca de trabalho. Você não tem controle sobre isto, mas o que acontecerá em seguida será determinado pela sua reação.
Você pode se irritar, repreender a menina e fazê-la chorar. Ser grosseiro com a mulher porque ela colocou a xícara na beirada da mesa, e propiciar uma batalha verbal! Ao ir mudar a camisa, você pode se atrasar, suficiente para a sua filha perder o ônibus para a escola. Pra compensar o tempo perdido de levá-la a escola, você pode tomar uma multa de alta velocidade ou de farol vermelho. Definitivamente o dia começou mal!
Se você não teve controle sobre o que aconteceu, pelo menos reaja de um jeito diferente. Ao tomar o banho de café, você simplesmente poderia ter dito: "Está tudo bem, você só precisa ter mais cuidado". Depois de pegar outra camisa você olha pela janela e vê a menina pegando o ônibus. Dá um sorriso e ela retribui, dando um tchau!
Notou a diferença? Por isso pense: Sua vida é guiada por sua reação.

Baseado em texto de Stephen Covey


Exibir outros POSTs com o tema de: cultura empresarial


 




 
Marcelo Martins de Albuquerque - ©1997-2014 Todos os direitos Reservados