"Lê tudo o que encontrares, mas não creias em tudo o que leres."

Petrus Alphonsi
(1062-1106), escritor e astrônomo espanhol.

Busca no Planeta Maebee:

Usuário:
Senha:

IP do cliente:
54.162.166.214
 



POSTs mais antigos:

Junho de 2016
Julho de 2015
Junho de 2015
Maio de 2015
Abril de 2015
Março de 2015
Fevereiro de 2015
Janeiro de 2015
Dezembro de 2014
Novembro de 2014
Outubro de 2014
Setembro de 2014
Agosto de 2014
Julho de 2014
Junho de 2014
Maio de 2014
Abril de 2014
Março de 2014
Fevereiro de 2014
Janeiro de 2014
Dezembro de 2013
Novembro de 2013
Outubro de 2013
Setembro de 2013
Agosto de 2013
Julho de 2013
Junho de 2013
Maio de 2013
Abril de 2013
Março de 2013
Fevereiro de 2013
Janeiro de 2013
Dezembro de 2012
Novembro de 2012
Outubro de 2012
Setembro de 2012
Agosto de 2012
Julho de 2012
Junho de 2012
Maio de 2012
Março de 2012
Janeiro de 2012
Dezembro de 2011
Novembro de 2011
Outubro de 2011
Setembro de 2011
Agosto de 2011
Junho de 2011
Maio de 2011
Fevereiro de 2011
Agosto de 2009
Julho de 2009
Junho de 2009
Maio de 2009
Abril de 2009
Fevereiro de 2009
Janeiro de 2009
Setembro de 2008
Julho de 2007
Junho de 2007
Maio de 2007
Abril de 2007
Março de 2007
Fevereiro de 2007
Janeiro de 2007
Dezembro de 2006
Novembro de 2006
Outubro de 2006
Setembro de 2006
Agosto de 2006
Julho de 2006



30 de Abril de 2009

Ó pedaço de mim!
Ó metade afastada de mim!
Leva o teu olhar,
que a saudade é o pior tormento,
É pior do que o esquecimento,
É pior do que se entrevar...

Ó pedaço de mim!
Ó metade exilada de mim!
Leva os teus sinais,
que a saudade dói como um barco
que aos poucos descreve um arco
e evita atracar no cais.

Ó pedaço de mim!
Ó metade arrancada de mim!
leva o vulto teu
que a saudade é o revés de um parto
a saudade é arrumar o quarto do filho que já morreu
Ó pedaço de mim!
Ó metade amputada de mim!
Leva o que há de ti,
que a saudade dói latejada...
É assim como uma fisgada no membro que já perdi.

Ó pedaço de mim!
Ó metade adorada de mim!
Lava os olhos meus,
que a saudade é o pior castigo
e eu não quero levar comigo...
a mortalha do amor,
Adeus!

Chico Buarque


Exibir outros POSTs com o tema de: mensagens





29 de Abril de 2009

Já amei muito e já amei pouco. O tempo passou, o mundo mudou.
Já amei a mulher certa no tempo errado e a mulher errada no tempo certo.
De todos os amores, já tenho a consciência de que a mulher da minha vida já passou por mim e escorregou pelos meus dedos.
Então, não há mais esperança. Como diria o Martinho, já tentei de tudo. Casadas carentes, solteiras felizes... Donzelas e Meretrizes...
Depois de tanta batalha, o coração ficou pobre, duro; não ressucita.
Então, daqui pra frente, viver um dia atrás do outro. Não acredito mais no relacionamento e nem no "prá sempre".
Sou solteiro por opção. E nem tentem me convencer do contrário.
Assim, sou só eu mesmo.

Exibir outros POSTs com o tema de: ficção ou fantasia





24 de Abril de 2009

Rita Lee - Gitâ (Composição: Raul Seixas / Paulo Coelho)
Eu que já andei pelos quatro cantos do mundo procurando... / Foi justamente num sonha que Raul me falou: / "Às vezes você me pergunta / Por que é que eu sou tão calado / Não falo de amor quase nada / Nem fico sorrindo ao seu lado / Você pensa em mim toda a hora / Me come, me cospe, me deixa / Talvez você não entenda / Mas hoje eu vou lhe mostrar... / Eu sou a luz das estrelas, / Eu sou a cor do luar, / Eu sou as coisas da vida, / Eu sou o medo de amar / Eu sou o medo do fraco, / A força da imaginação, / O blefe do jogador, / Eu sou, eu fui, eu vou / Eu sou o seu sacrifício, / A placa de contra-mão, / O sangue no olhar do vampiro / E as juras de maldição, / Eu sou a vela que acende, / Eu sou a luz que se paga, / Eu sou a berira do abismo, / Eu sou o tudo e o nada... / Por que você me pergunta, / Perguntas não vão lhe mostrar / Que eu sou feito da terra, / Do fogo, da água e do ar / Você me tem toda hora, / Mas não sabe se é bom ou ruim / Mas saiba que eu estou em você, / Mas você não está em mim... / Das telhas eu sou o telhado, / A pesca do pescador / A letra a tem meu nome, / Dos sonhos eu sou o amor / Eu sou a dona -de-casa, / Nos peg-pags do mundo / Eu sou a mão do carrasco, / Sou raso, largo, profundo / Eu sou a mosca da sopa / E o dente do tubarão / Eu sou os olhos do cego / E a cegueira da visão / Eu sou o amargo da língua, / A mãe, o pai e o avô / O filho que ainda não veio, / O início, o fim e o meio."

Exibir outros POSTs com o tema de: músicas


 




 
Marcelo Martins de Albuquerque - ©1997-2014 Todos os direitos Reservados